Aprovado projeto de Ney Leprevost para prevenção do câncer infantil (Via #EquipeNL)

Foi aprovado em primeira discussão, no plenário da Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 101/2016, de autoria do deputado Ney Leprevost que institui “Conscientização, Prevenção, Diagnóstico e Tratamento do Câncer Infantil”, no Estado do Paraná.

O câncer infantil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são as leucemias (que afeta os glóbulos brancos), os do sistema nervoso central e linfomas (sistema linfático).

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), em 2018, 12,5 mil novos casos de câncer infantil devem ser diagnosticados no Brasil. O câncer infantil já representa a segunda causa de morte (8% do total) por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos.

De acordo com o texto, o Poder Público ficará encarregado de promover ampla campanha de conscientização sobre prevenção, diagnóstico e tratamento adequado da doença.

O projeto já recebeu pareceres favoráveis da Comissão de Constituição e Justiça e da Comissão de Saúde Pública.

Segundo os especialista, os pais e responsáveis devem prestar atenção a sinais e sintomas que podem ser confundidos com outras doenças comuns à infância, por isso, o cuidado deve ser reforçado. Palidez progressiva, dor óssea, nas articulações, inchaço que provocam dificuldades de andar, manchas roxas ou sangramentos que não são de traumas- principalmente nos membros inferiores e superiores – e febre prolongada que deixa a criança em condições apáticas.

Dores de cabeça matutinas, acompahadas de vômito, alterações no equilibrio, na visão, no andar, convulções, presença de inguas frequentes, perda de peso significativa, assim como o comportamento da criança que deixa de brincar e só quer ficar deitada, também pode sinalizar que algo não vai bem.

Diante desses sintomas é importante que a criança seja avaliada por um médico.

(Via Assessoria de Imprensa – Rodrigo França)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *