Peça de teatro leva às escolas conscientização sobre violência sexual

Um espetáculo que fala sobre a violência sexual contra crianças e adolescentes é a ferramenta usada pelo Ministério Público para conscientizar famílias, igrejas, escolas e a sociedade civil de uma das regiões com mais vítimas de crimes sexuais de Curitiba: o bairro do Boqueirão.

A peça de teatro “A culpa não é sua”, encenada pelo grupo O realizador de sonhos, formado por alunos do ensino fundamental e médio do Colégio Estadual Euzébio da Mota, foi apresentada nesta terça-feira (11/06) no Auditório Mário Lobo do Palácio das Araucárias, para convidados da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) e do Departamento de Políticas para Criança, Adolescentes e Idosos.

Com texto e direção do professor Marcos Cordasco, a peça considera a premissa da vítima como sujeito de direito, de acordo o que preconiza a legislação que organiza o Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente (Lei 13.431/2017). “Nossa intenção é que crianças e adolescentes recebam um tratamento diferenciado desde a constatação da violência, para que consigam ressignificar e superar a situação e seguir com suas vidas”, diz o promotor de Justiça do Ministério Público Eduardo Alfredo de Melo Simões Monteiro, responsável pela criação e implantação da Liga Boqueirão de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes – projeto-piloto do MP que objetiva oferecer suporte completo às vítimas de crimes sexuais e suas famílias.

A Liga é um trabalho realizado pela Promotoria do Boqueirão, que atende os bairros Hauer, Xaxim, Boqueirão e Alto Boqueirão – um universo de quase 200 mil pessoas. Só em 2018, 599 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes (o número inclui situações confirmadas e suspeitas) foram registrados nas dez regionais de Curitiba pelo Sistema Nacional de Atendimento Médico (Sinam). Com 76 registros, a Regional do Boqueirão figura entre as que mantêm o número mais elevado de casos na capital.

O diretor-geral da Sejuf, Adayr Cabral, lembrou que o compromisso da atual gestão é integrar ações e direcionar esforços necessários para enfrentar a violência contra as crianças. “A defesa das crianças paranaenses é prioridade máxima dentro de nossa secretaria desde o primeiro dia do governo”, disse.

Para a diretora Olinda Godoy, do Colégio Estadual Euzébio da Mota, no Boqueirão, não existe nada mais transformador do que a escola. “Estamos juntos, escola e comunidade, para mudar a realidade e fazer a diferença, para que nossos alunos sejam protagonistas de suas próprias histórias”, afirmou.

Os alunos Samuel de Queiróz, 16 e Pedro Szelest, 17 anos, atores da peça, contaram que conseguem identificar jovens que estão com problemas na plateia. “A peça quebra tabus e ajuda quem está em crise. Tenho a certeza que já amparamos muitas crianças e adolescentes que sofrem com violência sexual”, explicou Pedro.

A chefe do Departamento de Políticas Públicas para Crianças, Adolescentes e Idosos da Sejuf Ângela Mendonça enalteceu a importância da reunião e adiantou que o encontro faz parte do Ciclo de Boas Práticas que será realizado uma vez por mês, sempre com ações que constroem redes de proteção para crianças e adolescentes. “Quanto mais jovens estiverem no debate, mais forte é a ponte entre o ontem e o amanhã”, disse ela.

O que é a Liga – Inspirada no universo dos super-heróis, a Liga possui ações integradas de participação, protagonismo, comunicação e mobilização; prevenção; atenção e pesquisa e responsabilização. O trabalho será conduzido em diferentes frentes, incluindo a interlocução direta com as vítimas (da escuta qualificada ao atendimento médico e psicológico especializada), o suporte às famílias (com atuação de profissionais de serviço social), a realização de ações nas comunidades (palestras educativas nas escolas da região) e até a responsabilização dos agressores (com a persecução penal).

Participaram do evento o chefe do departamento de Justiça da Sejuf Felipe Hayashi, o coordenador de Tecnologia e Inovação da Sejuf André Telles, o chefe do Departamento Socioeducativo da Sejuf Davi Pancotti, Leandro Muller (Psicólogo do Núcleo de Apoio Psicossocial do Fórum de Desenvolvimento do Boqueirão; Patrícia Mendes (Defensora Pública do Fórum Descentralizado do Boqueirão) e Liamara de Almeida (Conselho Tutelar do Boqueirão).

(Via #Equipe) #ratinho_junior #NeyLeprevost

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *