Ônibus Lilás vai percorrer 14 municípios em novembro, levando atendimento à mulher vítima de violência

As unidades móveis de atendimento itinerante à mulher em situação de violência, mais conhecidas como Ônibus Lilás, visitarão 14 municípios paranaenses durante o mês de novembro. O veículo percorre todo o estado, passando por cidades, distritos, assentamentos, aldeias indígenas, comunidades rurais e quilombolas levando orientação, acolhimento e informações de como prevenir a violência contra a mulher.

Neste sexta (01), o ônibus estará na CIC, na Feira da Cidadania, atendendo as mulheres de toda a região sul da cidade. Na próxima semana, vai a Itaperuçu (03), Nova Santa Rosa (06), Guaratuba (06, 07 e 08, no Paraná Cidadão).

No dia 11 será a vez de Pato Branco, seguindo para Campo Mourão (12), Paiçandu (13), União da Vitória (19), Campo Largo (20), Francisco Beltrão (22), Londrina (25), Arapongas (27), Cornélio Procópio (28), Toledo (29) e, no dia 30, Maripá. No dia 31 o Ônibus Lilás volta a Curitiba para participar do Dia Internacional pela eliminação da Violência Contra a Mulher.

O programa é desenvolvido pela Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho, por meio da Diretoria de Políticas para a Mulher, e oferece orientação sobre violência doméstica e familiar, direitos da mulher, orientação psicológica, orientação jurídica e assistência social para mulheres – uma das prioridades do governo Ratinho Junior.

São veículos preparados especialmente para garantir a privacidade e sigilo no atendimento individual, de modo a garantir a privacidade das mulheres, além de possuir espaço voltado para palestras de sensibilização e informação sobre a violência e os direitos das mulheres. “Políticas públicas como o Ônibus Lilás são importantes para a prevenção e enfrentamento da violência”, diz o secretário Ney Leprevost.

Maria da Penha – Segundo a Lei Maria da Penha, agressão não é apenas aquela que deixa marcas físicas. Embora a violência física e o abuso sexual sejam mais evidentes, outros tipos de violência também causam sofrimento e podem ser punidos.

A legislação também condena casos de violência emocional ou psicológica, como xingar, humilhar, ameaçar, fazer a mulher acreditar que está ficando louca e controlar tudo o que ela faz; patrimonial, como controlar ou tirar o dinheiro da mulher ou destruir seus objetos; e moral, que consiste em humilhar a vítima publicamente e expor sua vida íntima.

(Via #Equipe) #RatinhoJunior #NeyLeprevost

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *