NEY LEPREVOST PROPÕE REDUÇÃO DE IMPOSTOS FEDERAIS INCIDENTES SOBRE TRANSPORTES PARA EVITAR AUMENTO DA PASSAGEM DE ÔNIBUS

O deputado Ney Leprevost, mais votado de Curitiba, está muito preocupado com a notícia do aumento das passagens de ônibus. Imbuído da intenção de evitar que os trabalhadores tenham mais este ônus e com sincero objetivo de ajudar o prefeito a resolver o problema, Leprevost está colhendo assinaturas do maior número possível de deputados em um documento que será enviado a presidente Dilma Roussef solicitando a redução da carga fiscal sobre insumos e atividades do transporte coletivo.
 Se a medida proposta por Leprevost for colocada em prática pelo governo federal, não só Curitiba, mas todos os municípios do país que proporcionam transporte público gratuito para seus cidadãos poderão ter uma redução significativa nos custos das passagens de ônibus. Pois os encargos federais representam cerca de 30% dos custos dos transportes.
Com a idéia do parlamentar colocada em prática, o prefeito poderá evitar o aumento no preço das passagens e as empresas de ônibus terão um fôlego até mesmo para melhorar a frota de transporte.
O governador Beto Richa anunciou que está fazendo a sua parte determinando a redução da carga tributária do ICMS incidente sobre insumos do transporte coletivo.
Precisamos de todos os esforços da classe política paranaense, independente de filiação partidária, para convencer a Presidente da República a promover isenção de cobrança de CIDE, COFINS e PIS na venda de óleo diesel e outros insumos para empresas de transporte urbano local, afirma Ney.
O governo federal abre mão de grandes fatias do IPI Imposto sobre Produtos Industrializados para aquisição de novos carros de passeio, o que gera aumento da frota e congestionamentos no trânsito. Fazer justiça social é tratar o transporte público, no mínimo, com a mesma boa vontade, defende o parlamentar.
Segundo a Associação Nacional de Transportes Públicos 35% dos brasileiros se deslocam a pé. Outro levantamento indica que uma família com renda de até 5 salários mínimos compromete até 22% de seus ganhos com transporte coletivo, contra 16% com gastos com alimentação.
Enquanto o governo federal bateu recorde de arrecadação em janeiro, os trabalhadores e os empresários enfrentam uma crise sem precedentes. Acredito que para a economia do país é fundamental que o preço das passagens de ônibus permaneça estabilizado, analisa Ney.
O deputado também informou que irá mobilizar a bancada federal para ajudar a convencer a Presidente da República de que esta medida é essencial para garantir a qualidade de vida das camadas mais pobres da população brasileira.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − cinco =