Secretaria de Justiça do Paraná e Ministério dos Direitos Humanos realizam programa de combate a crimes digitais contra crianças

A Secretaria de Justiça, Família e Trabalho e o Ministério da Mulher e Direitos Humanos implementaram nesta sexta-feira (23), durante o webinar “Programa Reconecte em Foco” o Programa Reconecte no Paraná. O termo de acordo técnico foi oficializado pelo secretário da Justiça, Ney Leprevost e a secretária Nacional da Família, Angela Vidal Gandra.

O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a aderir ao Programa Reconecte Brasil. O Acordo Técnico para implementação conjunta do Programa Reconecte, objetiva desenvolver ações para o uso inteligente das tecnologias digitais nos aspectos da Saúde, da Família, da Educação, da Segurança e da Cultura.

“Orientar a família, as crianças e conscientizar os profissionais que atuam na proteção à infância sobre o uso saudável das tecnologias é uma tarefa extremamente necessária nos dias atuais”, afirmou o secretário de Justiça do Paraná, Ney Leprevost.

A ministra Damares Alves também participou da reunião virtual e comentou sobre proteção virtual na infância ser um tema emergente. “Na pandemia vimos aumentar o número de crianças e adolescentes que sofreram e sofrem violências virtuais. Por isso, devemos alertar toda a sociedade sobre o que acontece no mundo online. O programa Reconecte com certeza será uma experiência impar para testar na pratica os efeitos sociais da política pública que a gente quer que alcance todo o pais”.

A parceria tem como objetivo executar as seguintes ações: Promover novas versões do Curso Detox Digital PR vinculado à ação cinco do Pacto Infância Segura do Paraná; aplicar o Curso de capacitação EAD da Secretaria Nacional da Família do Programa Reconecte para os servidores dos Escritório Regional da Sejuf, com vagas extensivas a profissionais de toda a rede de proteção; e nova capacitação para famílias e adolescentes, através de reunião de pais e/ou seminário sobre o tema.

Além de desenvolver ações que enalteçam atividades culturais, artísticas e esportivas para crianças e adolescentes a fim de prevenir o uso compulsivo de tecnologias digitais.

O Programa também tem o foco para o enfrentamento e a prevenção dos riscos e efeitos nocivos do uso inadequado e até criminoso das tecnologias, como: lesões por esforço repetitivos, patologias musculares, cyberbullying, aliciamento e pedofilia online, vício em jogos eletrônicos, sexting, grooming, entre outros, segundo os eixos: Saúde, Cultura Digital, Tecnologia e Dignidade Humana, Segurança Digital e Educação.

Para a secretária Nacional da Família, Angela Gandra, “a era digital foi um grande impacto na nossa vida e temos que estar preparados cada vez mais para essas novas tecnologias. O mundo tecnológico aproxima os distantes, afasta os próximos, e essa é uma relação frágil que precisamos aprender a lidar”.

(Via Assessoria de Imprensa – Luiz G. Mazza Neto).

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *