Centro de Informações para Migrantes e Refugiados já atendeu mais de 13 mil pessoas na gestão de Ratinho Junior e Ney Leprevost

Com a missão de auxiliar e prestar todo o suporte aos migrantes e refugiados que chegam ao Paraná, O Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas (Ceim), órgão vinculado à Secretaria de Justiça, Família e Trabalho do Governo do Paraná, já atendeu na gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior e do secretário Ney Leprevost, 13.538 mil pessoas em pouco mais de dois anos. Ao todo, desde sua existência, em 2016, o Ceim já realizou 19.784 mil atendimentos.

Mesmo durante a pandemia e com atendimento online, devido às medidas sanitárias decretadas pelas autoridades sanitárias, o Ceim não parou com as orientações sobre os serviços públicos. Somente no primeiro trimestre de 2021, foram 482 novos atendimentos. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone: (41) 3224-1979 ou pelo e-mail: ceim@seju.pr.gov.br

Segundo o secretário de Justiça, Ney Leprevost, “o número de atendimentos demonstra o compromisso da nossa gestão em receber com dignidade as famílias que vêm em busca de uma nova vida, de novas oportunidades”, diz o secretário Ney Leprevost.

NACIONALIDADES – As nacionalidades com maiores registros neste ano foram Venezuela, Cuba, Haiti, Peru, Angola e Colômbia, sendo que as principais orientações são para regularização de documentos, atendimento psicossocial, busca de uma vaga de emprego e revalidação de diploma.

De acordo com os dados da Secretaria, a maioria dos migrantes que procura o Ceim-PR está entre 30 aos 59 anos e é formada por homens, que buscam trabalho, orientação para elaboração de currículo e para reinserção no mercado de trabalho.

EDUCAÇÃO E TRABALHO – O migrante pode revalidar no Paraná, por meio do centro, o ensino fundamental e médio, além de se matricular no ensino regular. Ainda há a possibilidade de encaminhamento para o mercado de trabalho. Para isso, é feito o cadastro no portal do Ministério do Trabalho; verificação de vagas disponíveis; elaboração e impressão de currículos; organização de documentação para contratação; orientação profissional e informações sobre cursos de qualificação profissional e agendamento de atendimento para emissão da carteira de Trabalho (CTPS).

No campo jurídico, é feito todo o acompanhamento legal para que seja possível regularizar o status migratório, distribuição de informações sobre o acesso à justiça gratuita, regularização documental, tipos de vistos, autorização de residência e solicitação de refúgio.

Na assistência social, são prestados atendimentos com a interlocução dos órgãos, como Centros de Referência e Centros Especializados de Assistência Social (Cras e Creas), bem como Centros POP; com entidades da sociedade civil referente a casos de acolhimento e recepção de migrantes, encaminhamentos para a realização do cadastro único para verificação de benefícios eventuais e a intermediação de acolhimento institucional.

(Via Assessoria de Imprensa – Luiz G. Mazza Neto)

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *