Leprevost propõe banco de DNA de criminosos que cometem estupros e pedofilia

Brasil está atrasado em tecnologias para detectar criminosos

A violência em Curitiba e Região Metropolitana está aumentando a cada ano que passa.
Nos primeiros meses de 2010 foram registradas 197 mortes, número recorde em relação a outros anos.
Este número chama mais a atenção nos jovens com idade entre 12 e 25 anos, que formaram 35% do total de casos.
De olho nesta estatística tão preocupante, o deputado Ney Leprevost, criou o projeto de lei que visa a construção no Paraná, de um banco de dados eletrônico com DNA dos criminosos.
O projeto irá auxiliar a polícia a identificar, com rapidez e fidelidade, as ações dos criminosos, através do seu DNA.
Este banco de dados sigiloso será de acesso exclusivo da polícia que terá mais facilidade para prender os praticantes de crimes como pedofilia, estupro e latrocínio.
O banco de dados dos criminosos já existe em outros países, e aqui no Brasil  ainda não temos. Os crimes de pedofilia e estupro são de difícil identificação dos suspeitos, e com este sistema poderíamos rastreá-los até em outros estados. Quero parabenizar o deputado Ney Leprevost pela iniciativa e apoio, pois só assim conseguiremos fazer acontecer, afirma o delegado Luiz Carlos de Oliveira, da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba.      
Através deste sistema, a resolução dos crimes será muito mais eficaz, assim poderemos tirar das ruas estas pessoas tão violentas e fazer justiça às famílias que passaram por este problema, comenta Ney Leprevost. 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 1 =