LEPREVOST PROPÕE REATIVAÇÃO DO PROJETO “PINTANDO A LIBERDADE” PARA RESSOCIALIZAR PRESOS

Em ofício dirigido à Secretária de Estado da Justiça e da Cidadania, Dra. Maria Tereza Uille Gomes, o deputado estadual Ney Leprevost sugere a reativação do programa Pintando a Liberdade, que consiste na utilização da mão-de-obra dos presos para a confecção de material esportivo, como redes, bolas e uniformes de diversas modalidades esportivas.

Para Leprevost, o objetivo é dar ao detento a oportunidade de se reintegrar na sociedade quando de sua soltura, bem como utilizar o tempo ocioso de maneira produtiva através do aprendizado e do trabalho, valorizando suas capacidades benéficas.

A idéia surgiu no Paraná em 1995, por iniciativa do psicólogo Roberto Canto e com patrocínio da Coca-Cola. Na época, beneficiava cerca de 200 detentos. Com o fim do patrocínio, em 1999, o projeto foi adotado pelo Ministério do Esporte E PELA Secretaria Estadual de Esporte e Turismo, na época ocupada por Ney Leprevost. Hoje, há 90 unidades de produção em funcionamento em 19 estados no Brasil. Em muitas penitenciárias, o Pintando a Liberdade promoveu uma transformação no dia-a-dia dos detentos, antes marcada pela ociosidade, rebeliões e planos de fuga.

As estatísticas mostram que o trabalho traz novas perspectivas e oportunidades aos ex-presidiários. O índice de reincidência carcerária nas penitenciárias onde está instalado o Pintando a Liberdade é de cerca de 30%, enquanto em outras instituições é de 60 a 90%. A maioria dos instrutores são ex-detentos que trabalharam no projeto. A cada três dias de trabalho o preso tem sua pena reduzida em um dia.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dois =