Leprevost relata projeto de prevenção à síndrome alcoólica fetal

Ingestão de bebida durante a gravidez pode gerar até rosto desfigurado

 O deputado Ney Leprevost, presidente da Comissão de Saúde da ALEP, apresentou relatório favorável ao projeto de campanha de prevenção à síndrome alcoólica fetal, de proposição do deputado Doutor Batista. Segundo Leprevost, o projeto é de grande relevância, pois implica em levar informação às mães sobre a saúde de seus filhos: É importante que as gestantes saibam que colocam a vida e a saúde de seus filhos em risco quando ingerem álcool. Nesse caso, a prevenção é a única saída para evitarmos má formação fetal e outros prejuízos à saúde do bebê, explica Ney.

O PROJETO: O projeto de lei número 141 de 2009, de autoria do deputado Doutor Batista propõe uma campanha ostensiva de conscientização dos prejuízos causados ao feto pelo álcool durante a gravidez por meio de material gráfico e propaganda na mídia televisiva e escrita.

 A ingestão de bebida alcoólica durante a gestação é tão prejudicial que não há uma dosagem pré-estabelecida que possa não atingir o bebê. Os riscos são diversos, como aborto espontâneo, parto prematuro, problemas de comportamento da criança, falta de crescimento, retardo mental, rosto desfigurado, baixo peso, além de sintomas invisíveis e danos neurológicos permanente.

 O Relatório do Instituto de Medicina Americano relatou que de todas as substâncias de abuso; incluindo heroína, cocaína e maconha; o álcool produz os mais sérios efeitos neuro-comportamentais no feto, tendo por resultados danos permanentes na função da memória e controle do impulso do julgamento. Em relação às mães que não bebem durante a gravidez, a incidência do risco de lesões fetais é de 30 a 50 por cento.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 3 =