ESTRADA DE FERRO CURITIBA-PARANAGUÁ TERÁ CASARÕES RESTAURADOS

Após solicitação oficial do deputado Ney Leprevost junto à ANTT, o casario dos ferroviários que trabalhavam na estrada de ferro que liga Curitiba a Paranaguá, bem como as estações existentes ao longo do trecho, sofridos com a ação do longo tempo, serão restaurados em uma parceria entre a ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres, a ABPF Associação Brasileira de Preservação Ferroviária e o IPHAN Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.
A diretoria da ANTT deliberou e aprovou a assinatura de Convênio de Cooperação Técnica para preservação do patrimônio ferroviário, além da autorização para Edital de Chamamento Público com vistas a selecionar a proposta técnica para execução da revitalização do casario histórico.
A Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá foi criada em 1880, tem 110 quilômetros de extensão que descem os 900 metros da serra e guarda alguns trechos originais daquele tempo, o que perpetua a comprovação do arrojado projeto do século passado. São ao todo 14 túneis, além de inúmeros viadutos margeando desfiladeiros de pedras e Mata Atlântica. O Túnel Roça Nova é o primeiro, e logo após, vem a Casa Ipiranga, que serviu de hospedagem para figuras ilustres da nossa história: o Imperador Dom Pedro II, o então presidente da Província do Paraná Carlos de Carvalho, e o pintor paranaense Alfredo Andersen hospedaram-se ali.
A Estrada de Ferro Curitiba-Paranaguá é hoje uma das mais famosas do Brasil. Construída sobre a Serra do Mar, teve de vencer grandiosos obstáculos do relevo que pareciam ser impossíveis de se realizar para construção de sua linha férrea. Seu primeiro trecho foi inaugurado em 1883 e já em 1885 estava concluída, sendo então, a primeira ferrovia do Estado do Paraná. Mais tarde continuou se expandindo até 1892 quando alcançou o porto de Antonina.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × dois =