MINISTÉRIO DA SAÚDE NEGA PEDIDO DE VACINAÇÃO CONTRA A “GRIPE A” PARA TODOS OS PARANAENSES

O descalabro da saúde pública é ratificado a todo momento pelo descaso e incompetência do Ministério da Saúde. A cada dia agrava-se mais o caos  instalado na saúde pública no país sem que nenhuma  medida seja adotada.
O comentário é do deputado Ney Leprevost,líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania, que esta semana recebeu a negativa do Ministério da Saúde para sua solicitação de que  em uma primeira etapa fossem vacinadas contra a gripe Influenza A- H1N1 as crianças em idade escolar, professores e auxiliares e, em uma segunda etapa fosse  disponibilizada a vacina para toda a população paranaense.

EX-MINISTRO RESPONZABILIZADO
Como se recorda o deputado Ney Leprevost, após fazer diversos pronunciamentos  na tribuna da Assembléia Legislativa defendendo a vacinação contra a gripe Influenza A-H1N1 para todos os paranaenses   devido as condições climáticas peculiares do Estado, encaminhou pedido a diversos órgãos federais, como o Ministério da Saúde.
Além de pedir  soluções  quanto a vacinação, o deputado  protocolou na Procuradoria Geral da República (Escritório do Paraná) um pedido  deindiciamento por homicídio culposo do ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
Ocorre que Leprevost  desde 2012  vem  alertando o Ministério da Saúde sobre a necessidade de disponibilizar a vacina da gripe AH1N1 para todos os paranaenses em função  das condições climáticas peculiares do Estado. Após os alertas de  Leprevost,  61 pessoas perderam a vida devido a gripe, só no ano passado. Se o Ministério da Saúde tivesse acatado a nossa solicitação  apresentada no início do ano passado e disponibilizado a vacina contra a gripe para todos, nós não teríamos estas mortes em  nosso Estado, enfatiza Leprevost.
SEM INVESTIMENTO
Já dissemos que o colapso  na saúde pública esta presente no cotidiano da população, que sofre  nas filas frequentes, falta de leitos hospitalares,escassez de recursos financeiros materiais e humanos para manter os serviços operando com eficácia, e denúncias de abusos cometidos pelos planos privados , disse  Leprevost.
Segundo ele, o grande problema na rede pública de saúde é a omissão por parte do governo federal em destinar recursos para a área. O setor de saúde luta para que sejam destinados 10% da receita bruta da União para a Saúde, pauta que há tempos enfrenta resistência no Congresso e de difícil aceitação por parte do governo federal.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − cinco =