NEY LEPREVOST VAI PEDIR NESTA TERÇA O INDICIAMENTO POR HOMICÍDIO CULPOSO DO EX MINISTRO DA SAÚDE POR SONEGAR VACINAS AOS PARANAENSES

O deputado Ney Leprevost, líder da Frente Estadual da Saúde e Cidadania, vai protocolar nesta terça feira no Ministério Público e na Procuradoria Geral do Estado um pedido de indiciamento por possível prática de homicídio culposo por parte do ex ministro da saúde Alexandre Padilha, devido a morte de 61 pessoas no Paraná contaminadas com o vírus da gripe A. 

Ocorre que antes de ocorrer a primeira morte de 2013, Leprevost alertou ao ministro através de documentos, ofícios e pronunciamentos que os critérios de vacinação no Paraná deveriam levar em conta as condições climáticas do estado, não ficando a aplicação das vacinas restrita aos chamados grupos de risco estabelecidos pelo governo federal ( presos, índios, gestantes , idosos e pequena parcela das crianças).
O crime de homicídio culposo se caracteriza por imprudência, imperícia ou negligência . 

” Não há dúvida que o ministro Padilha foi imprudente e negligente em relação a contaminação por vírus AH1N1 no Paraná . Queremos que as autoridades que constitucionalmente tem o dever de representar o povo e o estado diante do sistema judiciário analisem se cabe o indiciamento e até ações de indenização para as famílias das vítimas. Não dá mais para aguentar tanto descaso em relação a saúde pública”, afirma Ney. 

Leprevost tem feito semanalmente defesas acaloradas na tribuna da Assembléia Legislativa da vacinação gratuita para todas crianças do Paraná em idade escolar e para seus respectivos professores , em uma primeira etapa, e para todos que desejarem , na segunda etapa. 
“Não é necessário ser um epidemiologista para saber que o critério de vacinação contra doenças respiratórias no Sul gelado do país não pode ser o mesmo que é utilizado em outros estados”, afirma Ney. 

O parlamentar disse que irá anexar como provas contra Padilha os ofícios e as notas taquigráficas de seus alertas e disse que gostaria muito de ser chamado para depor, pois embora sequer conheça Padilha sabe que ele está envolvido em muitos desmandos na área da saúde. 
“Espero que esta atitude extrema que estou tomando possa de alguma forma ser pedagógica para que o atual ministro Arthur Chioro, a quem já alertei por escrito, não cometa o mesmo erro que nos tirou 61 vidas preciosas e para que todos que recebem a missão de administrar a saúde pública ajam com mais seriedade e cautela” , disse Leprevost.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + 9 =